Porque não chamá-lo de Magno?



149908_576550985691018_427035525_n

Porque não chamá-lo de Magno ?
(Pe. Marcelo Tenorio)

“Nesta manhã nublada de uma Roma enternecida
Por que não ficas conosco, mais um pouco, a nos guiar à Verdade sem ocaso da Fé?

No ano da Fé, deixa-nos, então?
Não celebrarás conosco o amanhecer de uma Igreja restaurada por tua palavra e banhada com o sangue de teu silencioso martírio?

O Trono, a glória, os suíços – todo o teu temporal não são capazes de te prender por entre os mármores de Pedro?

Sobre ti estão os olhares da humanidade, e tu recusas o poder?

Como novo Celestino entendes a hora de descer e,
Livremente desces.

Como Bento, no nome e na graça, preferes o recolhimento na oração às glórias deste mundo, até á partida definitiva.

É próprio de quem é Grande, a descida.
Só os Grandes descem.

Com nobreza queres entregar o leme da Igreja a outro.

Reconhecendo tua fraqueza, renuncias.
Reconhecemos tua força e bradamos:
“Viva o Papa”!
O Papa que desce!

Que desce com tanta dignidade que é mais uma subida,
Que descida.
Mais demonstração de Força,
Que fraqueza.

Ó vós que sentis com a Igreja,
Olhai o papa que desce!
Que desce para o Alto!

E hoje mais do que nunca,
Em honra do Grande, do Forte e do Magno
Brademos juntos,
Mais uma vez:
Viva o Papa que desce para o Alto!
Viva Bento XVI.”

Anúncios

ESPERAR EM DEUS NÃO É LOUCURA

Em todas as etapas da vida somos confrontados a falar de nossas conquistas, sejam elas materiais, pessoais e/ou intelectuais. O mundo nos cobra uma postura e posição de destaque em meio a tudo. Mas quando essas expectativas são frustradas por parte de quem as faz, há um julgamento cruel. Somos rotulados de inutilidade, excluídos do “grande grupo”. Somos diferentes.

Os filhos de Deus nasceram para dar certo, mas que certo é esse? Geralmente, a escala usada como medida hoje é aquela que a sociedade nos impôs como sinônimo de realização. É bem sucedido aquele que tem mais dinheiro, fama, popularidade, bens materiais, ou seja, os que vivem os “prazeres da vida”. A cada dia surgem novos indicadores de “sucesso”. A corrida desenfreada para conseguir tudo isso em curto prazo não resulta no objetivo que antes era primordial: a felicidade.

Vivemos nos projetando para os outros em palavras de autopromoção, acreditando em uma verdade que, muitas vezes, não é a nossa, que não nos faz bem. O pensamento imediatista faz da vida um anseio constante para o que nos é ofertado diariamente, uma busca sem fim por “coisas” que nunca nos contentam. Prazer imediato = “felicidade” passageira.

É natural haver crescimento e prosperidade em meio a tudo o que fazemos quando colocamos Deus no centro de nossa vida, porque nossos projetos não são nossos, mas é o plano do próprio Deus para nós. O “dar certo”, sob uma visão cristã, é bem diferente da visão deturpada da sociedade. Muitas vezes, nós cristãos temos de esperar em Deus para receber a resposta ou a bênção que tanto pedimos, pois Ele prepara o caminho para a que a graça chegue no momento certo. Quando somos agraciados, sabemos reconhecer a obra do Senhor e a desfrutamos em sua plenitude. Esperar em Deus não é loucura, mas agir na certeza de que acontecerá o melhor no tempo certo. Contudo, hoje muita gente prefere correr para o mundo do que esperar em Deus.

“Aliás, sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são os eleitos, segundo os seus desígnios.” (cf. Romanos 8, 28.)

Sabe aquele vazio que não preenchemos com dinheiro, coisas nem pessoas? Pois é, Deus preenche!

Essa cobrança desleal dos padrões de ostentação atual nos inferioriza e coloca nossa vida em segundo, terceiro…último plano. Deus está em que colocação em nossos anseios?

Não coisifiquemos nossa vida nem a do outro, pois somos filhos de Deus, capacitados, dotados de inteligência, dons e carismas com um potencial imenso para fazer a diferença no ambiente que estamos inseridos. Não somos iguais, temos natureza divina. Deus, mesmo sabendo o caminho que nos faria feliz, deu liberdade para nossas escolhas. Não deixe que alguém roube isso de você.

Tenha certeza de que o Senhor suprirá suas necessidades, pois nem tudo que pedimos é o que precisamos. Ele certamente vê e chega exatamente onde nos falta.

“Buscai, em primeiro lugar, o Reino de Deus e a Sua justiça, e todas as coisas vos serão dadas por acréscimos” (Mateus 6, 33).

Muitos procuram a chave para felicidade em lugares errados, e, às vezes, tem-se a ilusão de tê-la encontrado. No entanto, logo damos conta de que algo ainda nos falta, e a procura continua. A felicidade é algo complexo, abrange uma plenitude que contempla todas as particularidades do nosso ser. Eis que há uma chave-mestra, responsável por unir todos os segredos e combinações em uma única solução: Deus. Eis o caminho: “Ser aquilo que Deus quer”! Ele sempre quer o melhor para nós e sabe, ao certo, a glória que está guardada para Seus filhos.

“Pois morrestes e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus” (Colossenses 3,3).

Tenhamos a certeza de que nossa vida está em Deus, e o melhor: na vida eterna!

(Comunidade Canção Nova – http://destrave.cancaonova.com)

Notícia:: O Papa ensina: Mistério do Natal está em confiar em Deus para acolher a vinda de Cristo!

Do ACI Digital com inserções do Blog Dominus Vobiscum

Já estamos na semana do Natal. Ao contrário do que a mídia consumista prega, precisamos preparar nosso coração para comemorar a Encarnação do Verbo. O mundo motiva o ser humano ao consumo: Presentes, comidas, festas e superficialidades. Nós do Blog Dominus Vobiscum, nos unimos a Igreja e queremos que você cuide melhor do seu interior. Lembre-se que é no seu coração que o Senhor vai nascer. Ele é a manjedoura do Menino Deus. Por isso quero postar aqui as palavras do Santo Padre ditas antes do Ângelus de ontem. Segundo o pontífice, o mistério do Natal está em confiar no amor de Deus para acolher a vida divina do Menino Jesus. Leia agora na íntegra!

“Neste quarto e último domingo do Advento, a liturgia apresenta-nos a narração do anúncio do Anjo a Maria. Contemplando o ícone estupendo da Virgem Santa, no momento em que recebe a mensagem divina e dá a sua resposta, somos interiormente iluminados pela luz de verdade que emana, sempre nova, daquele mistério. Em particular, gostaria de deter-me brevemente na importância da virgindade de Maria, no fato de que Ela concebeu Jesus permanecendo virgem.

No pano de fundo do acontecimento de Nazaré está a profecia de Isaías. “Uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus Conosco” (Is 7,14). Essa antiga promessa encontrou cumprimento superabundante na Encarnação do Filho de Deus. De fato, não somente a Virgem Maria concebeu, mas o fez por obra do Espírito Santo, isto é, de Deus mesmo. O ser humano que começa a viver no seu ventre partilha da carne de Maria, mas a sua existência deriva totalmente de Deus. É plenamente homem, feito de terra – para usar o símbolo bíblico –, mas vem do alto, do Céu. O fato de que Maria conceba permanecendo virgem é, portanto, essencial para o conhecimento de Jesus e para a nossa fé, porque testemunha que a iniciativa foi de Deus e, sobretudo, revela quem é o concebido. Como diz o Evangelho: “Por isso o ente santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus” (Lc 1,35). Nesse sentido, a virgindade de Maria e a divindade de Jesus se garantem reciprocamente.

Eis porque é tão importante aquela única pergunta que Maria, “muito perturbada”, dirige ao Anjo: “Como se fará isso, pois não conheço homem?” (Lc 1,34). Na sua simplicidade, Maria é sapientíssima: não duvida do poder de Deus, mas quis compreender melhor a sua vontade, para configurar-se completamente a essa vontade. Maria é infinitamente superada pelo Mistério, mesmo que ocupe perfeitamente o lugar que, ao centro desse, lhe foi dado. O seu coração e a sua mente são plenamente humildes, e, exatamente pela sua singular humildade, Deus espera o “sim” dessa jovem para realizar o seu projeto. Respeita a sua dignidade e a sua liberdade. O “sim” de Maria implica o conjunto de maternidade e virgindade, e deseja que tudo n’Ela dirija-se para a glória de Deus, e para que o Filho que nascerá d’Ela possa ser todo dom de graça.

Queridos amigos, a virgindade de Maria é única e irrepetível; mas o seu significado espiritual diz respeito a cada cristão. Esse, substancialmente, está ligado à fé: de fato, quem confia profundamente no amor de Deus, acolhe em si a Jesus, a sua vida divina, pela ação do Espírito Santo. É esse o mistério do Natal! Desejo a todos vós que o vivam com íntima alegria”.

Para ajudar você a se preparar para este dia tão especial para nós cristãos, estou preparando um podcast muito especial para você amigo leitor e visitante do blog. Aguarde e confira!

Blog Dominus Vobiscum

(FONTE: http://domvob.wordpress.com/2011/12/19/noticia-o-papa-ensina-misterio-do-natal-esta-em-confiar-em-deus-para-acolher-a-vinda-de-cristo/ )

Nossa Senhora do Rosário

Promessas a todos que rezarem o rosário…

“O Terço é a minha oração predileta. A todos, exorto, cordialmente, que o rezem”. (João Paulo II)

Nossa Senhora, em suas aparições, pede que rezemos o rosário e confiou valiosas promessas, a São Domingos e ao bem-aventurado Alan de La Roche.
Tomemos posse dessas promessas e rezemos com amor essa oração.

Primeira promessa

“A todos os que rezarem, com constância, o meu Rosário, receberão graças especiais”

Segunda promessa

“Aos que rezarem devotamente o meu Rosário, prometo minha especial proteção e as grandes graças.”

Terceira promessa

“Os devotos do meu Rosário serão dotados de uma armadura poderosa contra o inferno, pois conseguirão destruir o vício, o pecado, as heresias.”

Quarta promessa

“Aos que rezarem devotamente o meu Rosário, prometo minha especial proteção e as grandes graças.”

Quinta promessa

“Toda alma que recorre a mim, através da oração do Rosário, jamais será condenada.”

Sexta promessa

“Todo aquele que rezar devotamente o Rosário e aplicar-se na contemplação dos mistérios da redenção, não será atingido por desgraças; não será objeto da justiça divina, através de castigos e não morrerá impenitente. Se for justo, permanecerá como tal até a morte.”

Sétima promessa

“Os que realmente se devotarem à prática da oração do Rosário, não morrerão sem receber os sacramentos.”

Oitava promessa

“Todos aqueles que rezarem com fidelidade o meu Rosário, terão durante a vida e no instante da morte a plenitude das graças e serão favorecidos com os méritos dos santos.”

Nona promessa

“Os devotos do meu santo Rosário que forem para o Purgatório, eu os libertarei no mesmo dia.”

Décima promessa

“Os devotos do meu Rosário terão grande glória no Céu.”

Décima primeira promessa

“Tudo o que os meus fiéis devotos pedirem, através do meu Rosário, será concedido.”

Décima segunda promessa

“Aos missionários do meu santo Rosário prometo o meu auxílio em todas as suas necessidades.”

Décima terceira promessa

“Para todos os devotos do meu Rosário, eu consegui de meu Filho, a intercessão de toda a corte celeste, na vida e na morte.”

Décima quarta promessa

“Todos os que rezam o meu Rosário são meus filhos e irmãos de Jesus, meu unigênito.”

Décima quinta promessa

“A devoção ao meu Rosário é grande sinal de predestinação*.”

*predestinados à salvação

Oração a Nossa Senhora do Rosário

Nossa Senhora do Rosário, intercedei em favor de todos os filhos de Deus para que, pela oração do Santo Rosário, meditando os santos mistérios do nascimento, da vida, morte e ressurreição de Jesus, com a recitação das Ave-Marias, possamos como discípulos de teu Filho, proclamar a Boa Nova do Reino do Pai; vencer todos os males e todos os pecados, e chegar um dia, pela paixão e cruz de Cristo, à glória da ressurreição. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

Paixão, Morte e Ressurreição!

Louvado seja o Nosso Senhor Jesus Cristo que vivo está
permanece para sempre em nosso meio!

Semana Santa… a data mais importante da Igreja
onde comtemplamos a Paixão, Morte e Ressurreição
de Jesus Cristo!

Pude viver bem esse tempo… ou melhor,
o Bom Deus me proporcionou a boa vivência
depois que entendi que Seu mistério de amor
vai acontecendo em nós, a medida em que deixamos acontecer!

Na Celebração da Quinta-feira de Lava-Pés contemplamos Cristo
que nos ensina a virtude da humildade, nos mostrando
que não somos uns melhores que os outros.
Todos caminhamos rumo à primeira vocação:
a santidade e que, como diria também a minha amiga Teresinha:
” a medida do amor é amar sem medidas… ”

Na Sexta-feira da Paixão participei de um retiro de espiritualidade
coordenado por Dom João Nilton, bispo da Arquidiocese de Amargosa/Ba,
maravilhoso. Tivemos uma reflexão sobre esse tempo, um momento de deserto,
de escuta da voz de Deus e encerramos a manhã com a Via-Sacra.
Na Celebração (único dia em que não há a Santa Missa)
contemplamos o grande mistério de amor, a loucura da Cruz…
experimentamos através da Eucaristia, o Cristo sofredor
que deu Sua vida por nós e que às nossas dá sentido!
Partimos em procissão com as imagens do Senhor morto
e Nossa Senhora das dores…
Portanto não é um dia triste, mas a Igreja (que somos também nós) silencia
para adorar a Cruz do Cristo que não é sinal de morte, mas sinal concreto de vitória
sobre a morte, é sinal de salvação!

No Sábado Santo vivi a grande expectativa na Vigília Pascal
da Boa Nova, ainda um sussurro, mas que já ecoava nos nossos corações!

Finalmente no Domingo de Páscoa um
“Novo dia surgiu e o povo que andava nas trevas viu
uma imensa luz, deu clarão, Tua glória a resplandecer…”
Cristo ressuscita nos convidando para uma nova vida nEle gerada
a partir da Sua Paixão, Morte e Ressurreição:
Vida plena em Seu amor! Vida de ressurreição!

Nosso coração se alegra pelo Rei que venceu!
Por isso rendemos a Ele toda essa alegria,
toda a gratidão por tamanho amor a cada um de nós!

Bom, quis partilhar um pouco com vocês o que Cristo
fez em mim nesse tempo! É real! Creiam: CRISTO RESSUSCITOU!

Todo louvor, toda honra, toda gratidão, toda adoração
ao Cristo que venceu!!

Uma Santa e Feliz Páscoa, amigos/as!

Deus nos abençoe!

Lara vaz :*

Ao nos distanciarmos do Senhor, caímos no vazio

Muitas vezes, nós não sabemos exprimir nem fazer a leitura das aspirações mais profundas do nosso coração; isso nos leva a correr de um lado para o outro, inquietos e agitados, buscando respostas, querendo nos agarrar a algo ou a alguém. Em outras palavras, consciente ou inconscientemente, fica-nos esta pergunta:

De onde vim? Para onde vou? Qual a minha origem? Qual é a minha meta? Donde vem e para onde vai tudo o que existe?

“Deus criou todas as coisas, não para aumentar a sua glória, mas para manifestar a glória e para comunicar a sua glória. Pois a glória de Deus é o homem vivo, e a vida do homem é a visão de Deus. O fim último da criação, é que Deus, Criador do universo, tornar-se-á ‘tudo em todas as coisas’ (I Cor 15,28), ao mesmo tempo a sua glória e a nossa felicidade” (Catecismo da Igreja Católica, 293,294).

Quando nos distanciamos do Senhor, caímos no nada, no vazio, porque o que dá sentido verdadeiro à nossa existência é amá-Lo e louvá-Lo, porque fomos criados para o louvor da glória de Deus.

Hoje é o dia de voltarmos para o nosso Criador com o coração contrito e repleto de amor e gratidão. Somente n’Ele encontramos repouso e sentido para a nossa vida!

(Canção Nova ;D Luzia Santiago – Formação)

A celebração da festa de todos os Santos

No dia 1º de novembro, a Igreja celebra a festa de Todos os Santos. Segundo a tradição, ela foi colocada neste dia, logo após 31 de outubro, porque que os celtas ingleses – pagãos -, celebravam as bruxas e os espíritos que vinham se alimentar e assustar as pessoas nesta noite (Halloween).

Nesse dia, a Igreja militante (que luta na Terra) honra a Igreja triunfante do Céu “celebrando, numa única solenidade, todos os Santos” – como diz o sacerdote na oração da Missa – para render homenagem àquela multidão de Santos que povoam o Reino dos Céus, que São João viu no Apocalipse: “Ouvi, então, o número dos assinalados: cento e quarenta e quatro mil assinalados, de toda tribo dos filhos de Israel. Depois disso, vi uma grande multidão que ninguém podia contar, de toda nação, tribo, povo e língua: conservavam-se em pé diante do trono e diante do Cordeiro, de vestes brancas e palmas na mão”. “Esses são os sobreviventes da grande tribulação; lavaram as suas vestes e as alvejaram no sangue do Cordeiro.” (Ap 7,4-14)

Esta imensa multidão de 144 mil, que está diante do Cordeiro, compreende todos os servos de Deus, aos quais a Igreja canonizou através da decisão infalível de algum Papa, e todos aqueles, incontáveis, que conseguiram a salvação, e que desfrutam da visão beatífica de Deus. Lá “eles intercedem por nós sem cessar”, diz uma de nossas Orações Eucarísticas. Por isso, a Igreja recomenda que os pais ponham nomes de Santos em seus filhos.

Esses 144 mil significam uma grande multidão (12 x 12 x 1000). O número doze e o número mil significavam para os judeus antigos plenitude, perfeição e abundância; não é um valor meramente aritmético, mas simbólico. A Igreja já canonizou mais de 20 mil santos, mas há muito mais que isto no Céu. No livro ‘Relação dos Santos e Beatos da Igreja’, eu pude relacionar, de várias fontes, quase 5mil dos mais importantes; e os coloquei em ordem alfabética.

A “Lúmen Gentium” do Vaticano II lembra que: “Pelo fato de os habitantes do Céu estarem unidos mais intimamente com Cristo, consolidam com mais firmeza na santidade toda a Igreja. Eles não deixam de interceder por nós junto ao Pai, apresentando os méritos que alcançaram na terra pelo único mediador de Deus e dos homens, Cristo Jesus. Por seguinte, pela fraterna solicitude deles, a nossa fraqueza recebe o mais valioso auxílio” (LG 49) (§956).

Na hora da morte, São Domingos de Gusmão dizia a seus frades: “Não choreis! Ser-vos-ei mais útil após a minha morte e ajudar-vos-ei mais eficazmente do que durante a minha vida”. E Santa Teresinha confirmava este ensino dizendo: “Passarei meu céu fazendo bem na terra”.

O nosso Catecismo diz que: “Na oração, a Igreja peregrina é associada à dos santos, cuja intercessão solicita” (§2692).

A marca dos santos são as bem–aventuranças que Jesus proclamou no Sermão da Montanha; por isso, este trecho do Evangelho de São Mateus (5,1ss) é lido nesta Missa. Os santos viveram todas as virtudes e, por isso, são exemplos de como seguir Jesus Cristo. Deus prometeu dar a eterna bem-aventurança aos pobres no espírito, aos mansos, aos que sofrem e aos que têm fome e sede de justiça, aos misericordiosos, aos puros de coração, aos pacíficos, aos perseguidos por causa da justiça e a todos os que recebem o ultraje da calúnia, da maledicência, da ofensa pública e da humilhação.

Esta ‘Solenidade de Todos os Santos’ vem do século IV. Em Antioquia, celebrava-se uma festa por todos os mártires no primeiro domingo depois de Pentecostes. A celebração foi introduzida em Roma, na mesma data, no século VI, e cem anos após era fixada no dia 13 de maio pelo papa Bonifácio IV, em concomitância com o dia da dedicação do “Panteon” dos deuses romanos a Nossa Senhora e a todos os mártires. No ano de 835, esta celebração foi transferida pelo papa Gregório IV para 1º de novembro.

Cada um de nós é chamado a ser santo. Disse o Concilio Vaticano II que: “Todos os fiéis cristãos, de qualquer estado ou ordem, são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade” (Lg 40). Todos são chamados à santidade: “Deveis ser perfeitos como vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48): “Com o fim de conseguir esta perfeição, façam os fiéis uso das forças recebidas (…) cumprindo em tudo a vontade do Pai, se dediquem inteiramente à glória de Deus e ao serviço do próximo. Assim, a santidade do povo de Deus se expandirá em abundantes frutos, como se demonstra luminosamente na história da Igreja pela vida de tantos santos” (LG 40).

O caminho da perfeição passa pela cruz. Não existe santidade sem renúncia e sem combate espiritual (cf. 2Tm 4). O progresso espiritual da oração, mortificação, vida sacramental, meditação, luta contra si mesmo; é isto que nos leva gradualmente a viver na paz e na alegria das bem-aventuranças. Disse São Gregório de Nissa (†340) que: “Aquele que vai subindo jamais cessa de ir progredindo de começo em começo por começos que não têm fim. Aquele que sobe jamais cessa de desejar aquilo que já conhece” (Hom. in Cant. 8).

(Canção Nova ;D Felipe Aquino – Formação)