Somos amados e podemos amar!


“O amor de Cristo nos constrange!” (2 Cor 4, 7). É esse amor que nos faz ficar de pé e reconhecermos que nossa meta é o céu. Assim, somos chamados a entregarmos livremente a vida no serviço aos irmãos, amando o Senhor em cada um. Isso não se dá por uma teoria, mas de forma muito concreta. Precisamos caminhar na via das virtudes extraindo força para vencermos o homem velho com seu egoísmo e individualismo. Só então é possível ser para os outros, testemunha feliz da nossa frutífera comunhão com Deus. A vida nova é dom de Deus e exige a nossa adesão, cultivo e perseverança. “Para exaltá-lo redobrai as forças e não vos canseis, pois não chegareis ao fim” (Eclo 43, 30).

Na vida cristã existe o aspecto da luta interior tão comum aos místicos, aos que querem fugir das ocasiões para praticar o mal e o pecado. A luta é necessária e pode trazer benefícios como diz Amedeo Cencini: “A luta religiosa, no entanto, é caracterizada pelo encontro e pelo confronto com Deus. (…) é luta sadia em relação ao desenvolvimento do homem, porque ninguém pode pedir ao homem aquilo que Deus lhe pede, ou seja, o máximo, a fim de que seja plenamente aquilo que é chamado a ser; é luta salutar entre as exigências de um Deus que primeiro dá tudo o que pede depois, e o medo do homem que hesita em se confiar, ou entre o amor gratuito de Deus e a pretensão ilusória do homem de merecer o amor; luta benéfica de quem é, de alguma forma, confrontado com a obstinada benevolência divina, com aquele Deus que fere e depois cura” (1).

Muitas das vezes as nossas constatações interiores fazem-nos sofrer, sem dúvidas, porque o processo do autoconhecimento não é fácil assim. O primeiro passo de cura é sempre o reconhecer e assumir termos tal fragilidade e começarmos um processo de cura, reconciliação e nova maneira de interpretarmos a situação. Tudo isso deve ser feito à luz da graça de Deus.

Dentro da sinagoga com Jesus e os presentes, imagino que tenha sido muito difícil para o homem da mão seca ir até o meio da sala diante de todos, após ser chamado por Jesus. O homem arriscou toda confiança em Jesus, atendendo o seu convite e expondo sua mão deficiente para ser curada. Ele correu o risco de ser ridicularizado, de ser um fracasso e assim vir a perder a fé como única segurança que tinha na sua vida. O homem da mão seca foi curado e uma nova vida começou naquele dia. Nada nesta vida pode ser vivido sem risco! O amor é exigente! Como disse de maneira tão profunda o Papa João Paulo II: “O amor torna fecunda a dor e a dor aprofunda o amor. Quem ama de verdade não recua diante da perspectiva de sofrimento: aceita a comunhão na dor com a pessoa amada” (2). Isso acontece com Deus, com os irmãos, com os amigos e com os homens.

Reconhecer-se como dom de Deus para os que nos querem bem, para os amigos, para os irmãos e para aqueles que, de certa forma, Deus quer que os sirvamos através da nossa vida e daquilo que nos foi confiado, é uma necessidade que exige confiança primeiramente em nós mesmos, pois Deus está conosco. Uma coisa é certa: as graças nas nossas vidas são sempre maiores que todos os desafios, como diz São Paulo: “Onde abundou o pecado, superabundou a graça” (Rm 5, 20). Reconhecer-se um dom é vital e indispensável para a vida. Quantas pessoas sofrem o definhamento das virtudes e da prática do bem, acabrunhados e tristes, porque foram feridos na autoestima, naquela certeza de que somos amados e que podemos amar, não obstantes nossas fraquezas.

Temos nossas fragilidades, limites, quedas e aspectos que precisam crescer, no entanto, não somos somente mazelas; Deus nos livre da tentação de pensar assim. Somos um dom maravilhoso que saiu do coração de Deus! Às vezes o erro nos deixa tristes porque nos vemos despidos, descobertos nas nossas fragilidades e limitações e, por tantas vezes não vivê-las em Deus, acabamos projetando nossas fraquezas nos outros. O amor de Deus é misericórdia, é justiça, é consolo, é plenitude. Somos capazes de amar gratuitamente, fazer o bem e servir aos outros.

Quando nos encontrarmos desanimados façamos memória e renovemos o amor de Deus nas nossas vidas. O Seu amor nos constrange sempre porque é sempre uma grande novidade. Este amor nos é primeiramente renovado mediante à Sua Palavra de Salvação. Tão belas são as palavras do profeta Jeremias: “Ao encontrar tuas palavras, eu as devorava. Tua palavra tornou-se meu gozo, e alegria para o meu coração. Teu nome foi proclamado sobre mim” (Jr 15, 16). Mais na frente um outro expresso exatamente o que acontece conosco quando estamos feridos, cansados ou mesmo na tentação de desistir da luta: “Quando eu digo, Senhor, não quero mais tocar no assunto, não falarei mais no seu nome, então a tua Palavra se transforma num fogo que me devora por dentro, não consigo contê-lo, sou inflamado e renovado” (Jr 20, 9).

Confiemos-nos diariamente à Virgem Maria, Mãe e Mestra do Amor. Nossa Senhora é o caminho mais seguro até o coração de Cristo, pois ela, mais do que ninguém, soube viver tão fecundamente suas alegrias e suas dores sem perder a esperança. Ela é também a Mulher da Palavra, pois guardou em seu coração todos os desígnios do Senhor. Toda a sua vida foi uma oferta de amor, doação, saída de si mesmo para servir aos outros. Ensina-nos, Mãezinha, a vivermos nesta certeza existencial de que somos amados e podemos amar.

Notas do Texto:

1- Amedeo Cencini. Quando Deus chama, p. 28-29, São Paulo, Paulinas, 2004.
2- Sua Santidade, Papa João Paulo II. Homilia por ocasião da canonização de Edith Stein, outubro de 1998.

Antonio Marcos

(Comunidade Católica Shalom – http://www.comshalom.org)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s